segunda-feira, 30 de abril de 2012

CAUSA SUI

INGRATO,

O SÁBIO DÁ CRÉDITOS
À ESTUPIDEZ.
A CEGUEIRA, DESEJA
AVIDAMENTE COM SEU TATO
A NUDEZ,
DESPIR.

NO PRA(N)TO QUE COMEU O ATO DE CUSPIR.

DEUS,
LAMENTA FIÉIS
TÃO APAIXONADOS,
FANÁTICOS AO
INVÉS DO CONTRÁRIO.
FILHOSDAPUTA, DIZ ELE,
SEM CULPA, SERIAM
MAIS APROPRIADOS.

NÃO HÁ DÚVIDA NO QUE PRODUZ A LABUTA
DO ASSASSINO.
HÁ NA VIDA A INCERTEZA
DE QUE A MORTE,
APÓS,
TERÁ UM CURSO CONTÍNUO.

VERSOS VERSUS VERSOS,
E A PENA PENARIA.
POESIA ENSIMESMADA,
CAUSA EM MIM.
CAUSA DE SI,
AGE E CANTA,
ASSIM,
DENTRO DE ONDE VEM,
MORRE.
VIVE E SOBREVIVE PRESA,
LIVRE NA PENA DO POETA,
POREM, FÓGE.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Mariana

despiu-se em Vênus,
crua em pêlo, nua
dentro do desejo e,
não foi em sonho,
não pelo que percebo
ao ainda ver o
espelho contemplando
tua imagem e diante
de tal realidade, tolo,
traduziu suprema beleza
como rara miragem.

fosse possível amar em revelia,
já à amava e tanto que, não
a conhecia os olhos, mas minha’lma
no pranto sempre se fazia calma,
e transformou em canto a elegia que
chora, musicando em alegria a espera
pela minha musa aurora.

provar o próprio sangue,
amar como quem se corta,
com a lâmina do pecado, dos céus…
Mariana me salva.

sexta-feira, 6 de abril de 2012

por ora

canto o amor dos céus que você profanou
enquanto minha pena suavemente chora
seria então entusiasmo, todo esse amor
que não ficou...enquanto com minha pena cito...

em minha camiseta os Beatles
falam tudo e dizem nada daquilo
que não sou...enquanto minha pena
desenha, nostálgica, o que subjaz o
roquenrou.

talvez seja cedo pra tarde demais
e, em um semblante triste,
um mundo triste nunca mais.

lembra da canção,
do que se cantou;
lembra das canções?
lembrarás de tudo
pelo que se lutou,
das ações...revolução,
por ora,
é paz...para o amor
que se cansou, que se
en(cantou)...enquanto
minha pena suavemente
chora, pelo que agora aqui
versejou.