terça-feira, 20 de junho de 2017

Dândi punk

Acima do cimo da mais alta
aflição Deus é útil,
abaixo disso,
dinheiro e saúde.
Peço perdão de joelhos,
pois em pé cansei de ir atrás
de ilusões, e se me perdi é
porque a liberdade que recebi
era apenas para rezas e orações.

Eu não sei rezar,
eu só sei fingir.
Eu não sei amar,
eu só sei fugir.

Há uma variável em
minha volição que,
religiosamente,
duvida de tudo,
e nesse exato momento
está ela agora
contestanto arbitrariamente
essa minha sincera
afirmação:

Minha alma é um vil cavalheiro,
dissimulado e torpe, nada é por
inteiro e tão menos é só metade,
como a sonata para piano numero
quatorze, ela é a primeira parte
sempre, mas também quando quer
é a segunda, a terceira, algumas
vezes se diz ser Beethoven...mas
na verdade não passa de um vil
cavalheiro imperativo, faz o que
quer, não escuta ninguém nem
nada ouve.

Eu sou e tão nunca fui,
...sou o que hoje ainda não.

Nenhum comentário: