sábado, 4 de fevereiro de 2017

Redundância

Abaixo minha honra e
me rendo, acato a ideia
de fazer parte do rebanho
e me junto às reses.

Embora tenha eu resistido
com muita galhardia e
confesse que nunca quis
ser um ruminante de idéias.

Daqui pra frente dividirei
o mesmo pasto e serei
como o todo, da alma às
minhas vestes, serei igual.

Serei os outros, o coletivo,
serei o plural. Eu como
indivíduo só serei forte
se for para ser como os demais.

Se for para ser sincero que
eu seja na verdade de outrem,
e que minhas opiniões plagiadas
possam influenciar os que me seguem.

E se amanhã eu não for
mais o mesmo de ontem,
é porque ao certo os que
me são caros é assim que querem.

Minhas vontades suprimidas,
meus anseios que se danem.
Todos em plena democracia
sendo um o outro, pois todos

os outros são unânimes.
Eu nem mesmo concordo comigo
a não ser que isso para todos
seja de algum modo interessante.

Sabedor da grandeza da minha
insignificância, eu me reservo
a ser como o próximo, sendo o
próximo como um outro já em

redundância. Vamos todos
marchando juntos rumo a
atrofia. Somos todos à forma de
um querendo ser igual à todos.



Embora Eu Sem Mim

As vezes por algumas
horas me dá a vontade
de ir embora,
mas embora eu
queira ir,
como sobreviverei
sozinho, sem mim?